Missão internacional quer replicar experiências da ovinocaprinocultura da Europa no semi-árido do Nordeste

Grupo formado por dirigentes e pesquisadores do Sebrae, Faepa, Emepa e Confederação Nacional da Agricultura foi conhecer experiências bem sucedidas na Espanha e Portugal

Um grupo formado por dirigentes e pesquisadores do Nordeste foi para a Europa para realizar uma missão técnica internacional do setor da ovinocaprinocultura. O roteiro da programação incluiu visitas às experiências bem sucedidas da cadeia de comercialização das regiões, por exemplo, de Aragón e Múrcia, na Espanha, e de Alentejo e Trás-dos-Montes, em Portugal, além de associações, feiras, propriedade com sistemas de identificação protegida. A missão vai até o dia 12 de junho.

Para o diretor do Sebrae Paraíba e coordenador do Projeto Aprisco Nordeste, Luiz Alberto Amorim, o modelo de subsistência, predominante na caprinocultura do Nordeste, chegou no seu limiar com o crescimento de demanda. “Somos uma atividade ainda fortemente lastreada pela cultura da subsistência e o nosso propósito é buscar modelos bem sucedidos e que tenham características próximas com a nossa identidade como são os casos da Espanha e Portugal para servir de espelho dentro visão empresarial que buscamos implementar para o setor. Essa mudança será um divisor de águas e a missão vai contribuir com o desenvolvimento desse negócio para a região”, declarou.

Os números do segmento na região Nordeste mostram a importância da missão internacional. O Nordeste concentra 92,6% do total de caprinos do país, o que representa 9,5 milhões de cabeças, enquanto os ovinos a participação da região é menor, mas também lidera com 58,4% das cabeças (9,1 milhões). A Paraíba detém o maior volume de produção de leite de cabra do País com cerca de 20 mil litros/dia. Além das vendas ao Programa do Leite, os produtores produzem queijos, iogurtes e doces.

Para o consultor Daniel Benitez, um dos responsáveis pelo relatório técnico da missão internacional, diz que a escolha das regiões e dos países foi criteriosamente escolhida. “A exigência básica no roteiro era que as atividades desenvolvidas fossem integradas, mas com foco especial na gestão em todas as etapas da produção-transformação-comercialização”.

Porém, Benitez lembrou que importante da missão será o trabalho de volta, quando será desenvolvido um relatório para socializar com as entidades da rede inovação do Nordeste, capitaneado pela Embrapa Ovinos e Caprinos, da qual a Emepa-PB  faz parte, além de manter o contato e parcerias com os produtores dos dois países”, lembrou.

Já o pesquisador da Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa-PB), Wandrick Hauss, que já participou de quatro missões internacionais, acredita que essa missão para Espanha e Portugal se reveste de forma especial porque servirá  para despertar  no grupo  procedimentos para desenvolver um polo embrionário no semi-árido nordestino a ovinocaprinocultura com as devidas adaptações da cadeia produtiva.

Participaram da missão internacional, os representantes da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), das federações da Agricultura e Pecuária dos estados do Nordeste, do Sebrae e de técnicos das empresas estaduais de pesquisa agropecuária.