Alternativas de controle da verminose em pequenos ruminantes

Está disponível na internet, no site do Instituto de Zootecnia (www.iz.sp.gov.br/publica.php?id=165), para download gratuito, o livro "Alternativas de controle da verminose em pequenos ruminantes".

Essa publicação foi originada no evento "I Simpósio sobre controle de parasitas em pequenos ruminantes: avanços e alternativas", realizado durante a 2ª Feira Internacional de Caprinos e Ovinos, FEINCO, em março de 2005, como parte das comimorações do centenário do Instituto de Zootecnia, IZ, órgão pertencente à APTA (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo), sediado em Nova Odessa, SP.

O objetivo principal deste evento foi apresentar a técnicos e produtores ligados à ovinocaprinocultura tecnologias já disponíveis ou em estudo de alternativas ao uso de anti-helmínticos para o controle da verminose em pequenos ruminantes.

A verminose é um dos principais problemas sanitários desses animais no Brasil e no mundo, principalmente pela dificuldade no controle, em função da rapidez com que os nematóides desenvolvem resistência aos antihelmínticos. A situação da resistência que principalmente Haemonchus contortus vem apresentando aos produtos químicos que estão no comércio está ficando insustentável, e muitos produtores, em todo o país, já estão com isolados multirresistentes (resistentes a todas as bases de anti-hlemínticos disponíveis no mercado veterinário).

O livro mostra que existem alternativas para diminuir ou, até mesmo, eliminar o uso de produtos químicos para o controle de helmintos parasitas intestinais. Alguns destes métodos já são consagrados pela pesquisa, como o método Famacha de avaliação da mucosa ocular como critério para uso de anti-hlemínticos, que diminuiu muito o número de animais a serem vermifugados, retardando o aparecimento da resistência anti-helmíntica no rebanho. Outras formas de controle, ainda estão sendo estudadas e aprimoradas, como a fitoterapia, a homeopatia e o controle biológico, utilizando  fungos nematófagos. 

Espera-se com este livro poder informar a técnicos e produtores sobre alternativas ao controle químico da verminose, e, deste modo, poder estar contribuindo a toda cadeia produtiva dos pequenos ruminantes, inclusive os consumidores, que se beneficiarão de produtos sem resíduos de produtos químicos.

 

Cecília José Veríssimo

Pesquisadora Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, SP,

Coordenadora do evento e editora do livro